The highest odds for poker online will always increase your chance of winning. Check out the new ruletka free online calculator for gaining the no deposit bonuses. There are wide range of play roulette online for free sites are available to enjoy gambling. Have an incredible gaming experience by playing with http://oldtimers.home.pl/autoinstalator/wordpress3/?p=mobile-casino online games in United States.

A exclusão ICMS na base de cálculo do PIS e COFINS na importação: Trocando em Miúdos

3

Por Gisele Pereira @comexblog

No dia 20 de março de 2013 os ministros do STF decidiram, em menos de 25 minutos, uma ação que se arrastava há cerca de 9 anos. Por unanimidade entenderam que deve ser excluído da base do cálculo do PIS e da COFINS incidentes na importação o ICMS e as próprias contribuições.

Tal decisão repercutiu na imprensa especializada e gerou inúmeros questionamentos e interpretações por parte dos importadores. Tentando trocar todo o “juridiquês” em miúdos, buscamos resumir a questão, sem de forma alguma exaurir o tema.

A Lei 10.865/2004 criou e o fisco vem aplicando há anos, uma fórmula mirabolante que inclui ICMS e as próprias contribuições na base de cálculo dos respectivos tributos. Tal cálculo contraria dispositivo expresso da Constituição Federal (artigo 149, § 2º, Inciso II, alínea “a”) que estabelece que a base de cálculo seja o valor aduaneiro (custo, frete, seguro e THC) da importação.

A decisão do Supremo foi proferida com repercussão geral, o que significa dizer que este entendimento será parâmetro para o julgamento de ações que tratem da mesma matéria e que tramitam nos tribunais regionais federais, bem como para as novas ações.

Para as empresas que fazem débito e crédito das respectivas contribuições (não cumulatividade) o impacto da decisão reduzirá o custo da importação sob o ponto de vista financeiro, ou seja, o valor do desembolso no momento do registro da Importação. Melhorando, portanto o manejo do fluxo de caixa dos importadores. O que é bastante positivo.

No que diz respeito ao custo propriamente dito, o impacto será maior para as empresas que não utilizam os valores pagos como crédito para saídas subsequentes e nas empresas que optam pelo lucro presumido e Simples, por exemplo.

Estes poderiam pedir por via judicial a restituição dos valores pagos (quando não aproveitados na saída em forma de compensação – débito e crédito) dos últimos cinco anos. É prudente, no entanto aguardar os próximos capítulos uma vez que a União já afirmou que irá pedir que o Tribunal aponte os efeitos somente para o futuro (efeito modulatório), ou seja, que possibilitará a recuperação de valor pago a mais somente para as empresas que ingressaram com a ação antes do dia do julgamento (20/03).

Cabe ainda salientar que a decisão do STF foi estabelecida por meio de controle difuso de constitucionalidade, o que representa na prática que só surtirá seus efeitos para aqueles que pediram a manifestação do Poder Judiciário sobre a questão. O reflexo da decisão se dará entre as partes (empresa que entrou com a ação e a União Federal). Portanto, deve-se ter claro que a decisão do STF que declarou a lei inconstitucional no que diz respeito ao cálculo das contribuições não afeta à todos automaticamente.

Desta forma, o STF não determinou a inconstitucionalidade da lei para todos os importadores (efeito erga omnes). Tal decisão só é possível quando feita por meio de controle concentrado, como é o caso da ADC 18 que discute a constitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo das contribuições (PIS e COFINS) na saída das mercadorias que aguarda decisão do STF – sem previsão de julgamento. Esta, por sua vez, muito impactante para todos os importadores, vez que reduzirá de forma expressiva a tributação sobre a venda. Cabe à todos aguardar  a manifestação do Tribunal.

Portanto, caberá ao fisco ajustar o cálculo na forma entendida como constitucional pelo Supremo, mas sem a obrigação legal de fazê-lo, vez que a decisão proferida não tem o poder de obrigar a tal ajuste. Entretanto, manter o cálculo atual após o reconhecimento de sua inconstitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal seria no mínimo desrespeito ao direito dos importadores.

Aguardemos, pois, a alteração da legislação e o respectivo ajuste do Siscomex para recolher as contribuições sobre nova base de cálculo.

Assine nosso boletim diário:
Sua privacidade é respeitada.
Compartilhar.

Sobre o Autor

Advogada, Consultora Aduaneira e Especialista em Direito Marítimo e Portuário

  • mauricio daros

    oi gisele tudo bem
    gostaria de uma informacao visto que a senhora e bem informada no asunto
    trabalho na italia a mais de 10 anos e gostaria de levar meus equipamentos para o brasil (caminhao,escavatore,maquinas de movimento terra) isso seria possivel
    desde ja te agradeço pelo atençao aguardo contato
    mauriciodaros2003@gmail.com

  • Thiago Cavaton

    Muito claro o texto. Obrigado!
    Vamos aguardar a alteração no Siscomex, o que até o momento não foi efetuado nenhuma modificação.
    Algumas empresas informar que colocaram 4% como Base de Calculo para o imposto Pis e Cofins, porem, a marcadoria junto a liberação da mercadoria nao esta sendo concluido. Alguem sabe algum fato ocorrido desta forma?

  • Vagner Cardoso

    Muito bom, muito claro e foi a primeira publicação que trata com clareza, serenidade e prudência ao referenciar o princípio da não cumulatividade como redutor de impacto desta decisão. Nas empresas importadoras enquadradas no método de apuração não cumulativa comemoram-se muito, mas não entenderam que o crédito reduzirá na mesma proporção do recolhimento do desembaraço. Só um complemento, se me permite, a partir da lei 12546/2011, a alíquota da Cofins subiu para 8,6% sendo que o crédito permaneceu em 7,6% aí sim o custo adicional seria reduzido com a redução da base de cálculo da contribuição na importação. Parabéns.

Assine o Resenha comexblog.com e mantenha-se atualizado com os mais relevantes temas sobre comércio exterior e logística.

Close this popup

Nós respeitamos a sua privacidade e garantimos que o seu e-mail jamais será compartilhado, vendido ou cedido para um terceiro. Você poderá cancelar a sua assinatura a qualquer momento, sem qualquer burocracia.

Assine o Resenha comexblog.com e mantenha-se atualizado com os mais relevantes temas sobre comércio exterior e logística.

Close this popup

Nós respeitamos a sua privacidade e garantimos que o seu e-mail jamais será compartilhado, vendido ou cedido para um terceiro. Você poderá cancelar a sua assinatura a qualquer momento, sem qualquer burocracia.