Terminal Libra Rio: Terrível! E o que fazem os armadores?

Começamos este artigo agradecendo a participação de todos que divulgaram via e-mail e compartilharam nas redes sociais o artigo Terminal Libra Rio: Piorou! Agora está horrível!. Agradecemos a todos que fizeram suas denúncias junto à ANTAQ através da internet nesse link . Precisamos fazer chegar aos responsáveis pela fiscalização todos os problemas que os usuários passam. Estamos dando um “BASTA” ao desprezo dos gestores (presidente e diretores) do TERMINAL LIBRA RIO.

Diante da grande repercussão do artigo, recebemos muitos questionamentos acerca da atuação dos armadores junto ao terminal, pontualmente, no sentido de cobrarem uma solução ao caos que ali se apresenta. De fato, diante do péssimo resultado que o TERMINAL LIBRA RIO proporciona, todos estão descrentes de que os armadores cobrem eficiência do terminal para os usuários. No dia a dia, o que se vê, é um tratamento preferencial destinado aos armadores. Quando um navio está operando, por exemplo, o recebimento e a entrega de containers que, normalmente é péssimo, vira um verdadeiro horror. E o que falar da falta de janelas do período diurno para a reposição containers de vazios?

Quem enche de cargas o TERMINAL LIBRA RIO, ou qualquer outro terminal, é o armador. Então, conclui-se que eles são os grandes clientes do terminal e o terminal priorizará seus grandes parceiros e fará tudo o que estiver ao seu alcance, ainda que isso signifique prejudicar exportadores e importadores, para que, principalmente, as operações dos navios transcorram bem e para que as demais necessidades das cias. de navegação sejam satisfeitas.

Os armadores deveriam cobrar do terminal uma postura mais profissional, mais ética e mais humana para com seus clientes. Sim, os clientes dos armadores são usuários exportadores e importadores, e fazem parte da massa que é mal tratada pelo TERMINAL LIBRA RIO. Os armadores deveriam ser responsabilizados por todos os prejuízos que o TERMINAL LIBRA RIO dá aos seus clientes exportadores e importadores. E quem deve cobrar isso são os próprios exportadores e importadores.

Então, dando sequência ao que afirmamos no terceiro artigo, quando o comercial de um armador que opera no TERMINAL LIBRA RIO visitar você em sua empresa e oferecer serviços através desse terminal, esteja certo de que também estará te conduzindo ao inferno.

Um armador busca o terminal visando a negociar o melhor resultado de custos, que tornarão seus serviços mais competitivos. Note que se trata de uma negociação que visa a resultados operacionais que refletirão em movimentação de TEUS e valores da Cesta de Serviços (Box Rate), onde está inclusa também a capatazia que todos os embarcadores e consignatários pagarão diretamente à empresa de navegação.

Os demais serviços executados pelo terminal portuário serão cobrados diretamente dos clientes do armador e, a princípio, valerá a chamada tabela pública, que, em tese, é o valor mais alto praticado pelo terminal portuário. Veja que neste ponto o armador jogou o cliente dele nas mãos dos terminais. No caso do TERMINAL LIBRA RIO, podemos dizer que o armador jogou seus clientes aos leões que irão devorá-los.

A partir do momento que o armador decide atracar seus navios em um determinado terminal, está abrindo duas pontas de venda de serviços. A primeira é a do seu próprio comercial que sairá a campo vendendo freneticamente os serviços de transporte, buscando atingir as metas estabelecidas pela diretoria da empresa de navegação. A segunda é a do comercial do terminal que irá a campo buscar clientes que tenham negócios de exportação e importação nas rotas operadas pelo armador que está trabalhando com o terminal.

Note, então, que está configurada, ainda que de forma subjetiva e informal, uma grande parceria comercial entre terminal e armador. Como existe um interesse em comum por trazer mais cargas, um passa a contribuir com o outro e, não nos causaria estranheza se verificássemos que essas vantagens comerciais fazem parte das negociações do “Box Rate”, pois o capitalismo também gira em torno do poder de barganha. Em outras palavras quanto maior a capacidade do armador em trazer negócios para o terminal, quanto maior o volume de cargas, ou mais específica for a rota, as vantagens comerciais crescem e os custos do armador serão reduzidos, o que permitirá que as vendas de frete marítimo sejam ainda mais competitivas por conta da capatazia e dos custos operacionais do navio.

A carga é colocada no terminal em função dos armadores. Os armadores estão vendo o show de horrores que o TERMINAL LIBRA RIO proporciona aos seus clientes. O que eles fazem para ajudar seus clientes? Ora, vendo como o terminal trata os usuários, não conseguimos acreditar que os armadores atuem incisivamente a favor dos seus clientes.

As vantagens dos armadores não terminam nos valores e na operação propriamente dita. Na importação, por exemplo, tem ainda o impedimento de saída da carga nos casos em que o “Frete Armador” do SISCARGA está bloqueado pela empresa de navegação. Não existe norma que obrigue um terminal a reter a carga por este motivo, mas fazem mesmo assim. Fazem para atender as necessidades de seus grandes clientes armadores, de forma a garantir o adimplemento dos fretes e demais cobranças de seu parceiro.

Alguns leitores relataram que os armadores preocupam-se apenas com os problemas de exportação e atuam com força contra o TERMINAL LIBRA RIO no caso de falta de janelas, porque é interesse dele embarcar as mercadorias. Porém, se o navio estiver lotado e/ou verificar que a carga não é interessante naquele momento, alegam que não serão vistos grandes esforços, porque carga arrolada gera custos ao armador. Temos esta sensação também.

Na importação a coisa é critica. A alegação é que depois que descarregam as mercadorias, viram literalmente as costas para seus clientes, deixando-os nas mãos de seu contratado, ou seja, do terminal. No TERMINAL LIBRA RIO os importadores sofrem. Pior é que muitos alegam contatar para os armadores buscando ajuda e recebem como resposta que não podem intervir, pois é uma relação entre cliente e terminal. Já ouvimos isso!

Bem, os defensores dos armadores dirão que os armadores cobram melhorias sim, que os clientes têm outras opções que não precisam usar seus serviços e que não precisam usar o TERMINAL LIBRA RIO, etc. Mesmo diante de fatos, temos certeza de que tentarão se defender, até mesmo nos atacar. Afinal, são extremamente bem assessorados. Contudo, estamos apenas cobrando atitudes incisivas e deixando os advogados das empresas prejudicadas pensarem em uma forma de cobrar os prejuízos tanto do terminal, quanto do armador.

– Se, um container entra em demurrage porque o TERMINAL LIBRA RIO demorou 10 dias para posicioná-lo para inspeção, ou porque não tinha janelas para a retirada, perguntamos: O armador deixará de cobrar demurrage? Ele aceitará a sua alegação de que a culpa do atraso foi do terminal que ele contratou? Não!

– Se um container entra em detention porque não conseguiu ser colocado no terminal a tempo por falta de janelas: O armador deixará de cobrar o exportador? Não!

– Se, mesmo após o pagamento do frete o armador não desbloquear o “frete armador” no SISCARGA e vencer o período do importador: O armador arcará com a despesa de armazenagem? Pedirá que o terminal dê desconto? O terminal entenderá a situação e dará o desconto? Não!

TUDO sobre Despacho Aduaneiro

TUDO sobre DESPACHO ADUANEIRO, sem mi-mi-mi, sem blá-blá-blá-blá, direto ao ponto. Quer se manter atualizado? Então Se inscreva nesta lista, é GRÁTIS.>

Se todos passarem a cobrar também dos armadores pelos problemas que encontram junto ao TERMINAL LIBRA RIO, ou qualquer outro terminal portuário, decerto, mudanças significativas aparecerão.

Portanto, no momento que o comercial de um armador que opera no TERMINAL LIBRA RIO procurar você, cobre dele provas formais de atuação incisiva junto ao terminal, cobre do armador garantias. Se for inevitável operar ali, solicite descontos no frete para operar no TERMINAL LIBRA RIO, de forma a cobrir prováveis despesas extras que serão incorridas direta ou indiretamente (extraordinários, demurrages, detentions e armazenagem). O armador precisa sentir no bolso este peso. Temos certeza que o armador será incisivo se observar a mudança de postura de exportadores e importadores.

Navios e terminais portuários existem em função das cargas. Portanto, quem tem o poder de barganha são exportadores e importadores. Porém, o poder de barganha somente será exercido se existir unidade nas atitudes.

Portanto, pedimos muita atenção aos exportadores e importadores! Como quem banca essa conta cruel e covarde são vocês, entendemos que evitar os serviços dos armadores que operem no TERMINAL LIBRA RIO seja a atitude correta a ser tomada.

A mesma atenção pedimos à AEB – Associação de Comércio Exterior do Brasil – no sentido tomar providências urgentes para o que estão fazendo com os importadores e exportadores que operam no TERMINAL LIBRA RIO.

11 Comentários


  1. Prezado Sr Andre,

    HA um equivoco que eu tambem cometia, mas pesquisando descobri que existe um DECRETO-LEI de 1967 que permite aos Armadores bloquearem a entrega da carga.
    A IN RFB 800/2007 ratifica este bloqueio pelo terminal perante solicitaçao do Armador.
    ” Art. 40. É facultado ao armador determinar a retenção da mercadoria em recinto alfandegado, até a liquidação do frete devido ou o pagamento da contribuição por avaria grossa declarada, no exercício do direito previsto no art. 7º do Decreto-Lei nº 116, de 25 de janeiro de 1967.”

    Eu queria muito poder contestar esta restriçao, principamente por causa dos agendamentos, mas nao ha como ate esta permissao ser revogada!

    Att
    Franco

    Responder

  2. Querido Andre,
    Como sempre ótimo artigo a respeito do assunto em questão. Todavia, infelizmente não somente o Libra RIO como vários outros terminais em alguns portos que já operei cargas sofre com a mesma esquematização. Processos lentos, falta de janelas, erros de cadastro, falha em troca de informação com o Armador… um caos. O que mais me chateia com tudo isso é a falta de responsabilidade que o armador arca em relação o terminal contratado. Muitas vezes já recebi e-mails com a resposta: “Verifique junto ao Terminal de desova”. Não estou querendo salientar armadores, porém HSued bate recorde com a falta de informação e inconvenientes causados pelo terminal em meus embarques. Lamentável e triste.
    Grande Abraço!
    Anderson Fiochi – FGL Global

    Responder

  3. Andrè ,Boa colocação do resume do ocorre no Terminal Libra , não tem jeito nem a receita federal toma uma postura para amenizar o sofrimento ,.
    Eu, acho que todos os despachante , terminais redex , transporadores , Exportadores e Importadores , deveriam entrar com uma ação reparadora em pequena causas pelo contragimento que ora e imposta pelo Terminal Libra , vale lembrar que tem que ser em pequena causas porque os processo mesmo com recurso do Terminal Libra , os processo são resolvido na Pequenas causa , o valor maximo para pequenas causa são 40 salarios minimo ou seja r$ 27.120,00 .
    OBS: Não recomendo a entrar nos triubunais , pois eles podem recorrerem até brasilia e lá o processo será engavetado .
    a Todos consulte um advogado tributarista ou advogado bom , vamos começar a pedir uma ação reparadora tanto para Terminal Libra quanto para Armador , pois ele é conivente , pois são eles que pedem para os container naquela terminal os containers .
    sd
    ROBERTO MIRAGAIA

    Responder

  4. André,
    Você está de parabéns, em momento algum você colocou ou mencionou algo que prejudicasse ao TERMINAL LIBRA, de fato tudo que foi colocado por você procede todos os dias. A Libra faz o que quer, e muitos não fazem nada. CHEGA ou melhora ou embarcaremos nossos cargas em outros terminais.

    Responder

  5. Prezado Andre, independente de onde trabalhe, saiba que sua indignação como usuário está correta TODAVIA não embasada. Esse problema da Libra Rio acontecerá em poucos meses com a Multirio em virtude das obras de expansão. Saiba, antes de qualquer coisa, que essa situação não é exclusiva do Rio de Janeiro. Você esteve ou trabalha carga em Santos?? Paranagua? Itajai? Acredito que não, pois saberia que funciona do mesmo jeito. A questão aqui está na burocracia que os terminais enfrentam para poderem investir; do Governo em ter deixado os portos e acessibilidade às zonas portuárias um caos. Os Armadores, caso não saiba, depende de cronograma (janelas de atracação) e não se baseiam exclusivamente me tarifa. Precisam de espaço na agenda dos terminais, ou seja, precisam que os navios cheguem em cada porto em determinada data para atracar.

    Responder

    1. Caro Bruno,

      Obrigado pelo seu comentário, muito bom mesmo. Contudo, o contexto do artigo refere-se tão somente à qualidade do serviço oferecido pelo terminal aos seus usuários, da sistemática de preferência aos armadores em detrimento desses usuários.

      Os problemas da LIBRA não vem de hoje e nem das obras. O sistema sempre foi ruim. Estamos discutindo gate para dentro. Se, a MultiRio enfrentará os mesmos problemas, não podemos afirmar isso agora. Só vendo o que os principais do terminal projetarão.

      Os artigos escritos tem base nas diversas reclamações que recebemos. Sei que outros terminais Brasil a fora também tem problemas, mas o foco do artigo é o Rio de Janeiro.

      Responder

  6. Bela explicação para todos que acham que Despachantes e Transportadores podem “escolher” trabalhar ou não com a Libra.

    Nós nos estressamos, entramos para listas negras, temos nossos emails bloqueados pelo terminal, trabalhamos até altas horas mas no final das contas, Importadores e Exportadores, saibam que o prejuízo monetário é sempre de vocês.

    Vocês são consumidores, lutem por seus direitos.

    Responder

  7. Não vamos esquecer que tais terminais operam por CONCESSÃO PÚBLICA. ONDE ESTÁ O ÓRGÃO QUE FEZ A CONCESSÃO mas não estabeleceu metas de qualidade, não às fiscaliza ou não pune o não cumprimento? Esse órgão deve ser cobrado e também responsabilizado, pois fazer a concessão e deixar os usuários entregues à própria sorte foge ao interesse público.

    Responder

  8. André,
    Parabéns pelo artigo, pois relata exatamente o que define a relação Terminal x Armador!
    Espero que muitos importadores e exportadores tenham acesso a este artigo para realmente indagarem os armadores sobre estas condições a que estes são submetidos sem nem mesmo poderem optar, pois se notarem bem, os armadores que operam em terminais estão vinculados às suas rotas e consequentemente os usuários dos serviços estão literalmente presos a uma única opção, se levarmos em consideração que escolhem serviços pela rota e preço de frete!
    Continue com os artigos… É necessário “chamar” os usuários para o diálogo, para que entendam e abram seus horizontes nestes temas!!!

    Responder

    1. SUNDA, se você postasse o teu nome, eu responderia pelo nome, mas como você arrumou este codinome sugestivo de intelectuais que passaram da alfabetização, permita-me perguntar-lhe:
      Caro SUNDA, com base na tua resposta sem argumentos relativos ao assunto, você é armador, funcionário de terminal portuário, semi-analfabeto, ou realmente não não tem capacidade para perceber que indiretamente todos os brasileiros são afetados economicamente por problemas como os narrados pelo Sr. André Seixas?
      Eu gostaria de ver a tua resposta verdadeira, pois não consegui imaginar você estando fora de uma destas posições!!!
      Mude de atitude e lute contra o que é errado, começando por apoiar quem está lutando para melhorar a tua vida!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *