A Alca e os nossos acordos

acordos

No início da década passada, escrevemos artigos sobre as vantagens de termos a Alca – Área de Livre Comércio das Américas. E de participarmos dela. Engendrada por George Bush, então presidente dos EUA, e aceita pelo nosso presidente na época. Caminhava a passos lentos, mas andava. Com a troca de guarda na presidência no início da década passada, a Alca foi enterrada. Algo inexplicável, na ocasião, pelas vias lógicas.

Posteriormente, com o passar dos anos, o mistério foi sendo desvendado. O grande irmão do norte foi considerado satã pelo novo governo, e começamos a nos afastar dele. Nosso comércio exterior com os EUA foi reduzido a menos da metade do que era no governo anterior. E não só isso. Em política também. E começamos a nos aproximar dos seus inimigos, fazendo-os nossos melhores amigos.

Continuamos, como sempre, com acordos comerciais com um mínimo de países. Mais de 300 acordos no mundo, e temos apenas uma dezena deles. Enquanto dois dos nossos parceiros, com quem temos acordos, México e Chile, têm acordos com cerca de 50 países e blocos. Com EUA, China, União Européia, etc.

Afastamento político não precisava representar afastamento comercial. Vide a China, sempre ela para servir de exemplo. Política de esquerda, economia de direita, sendo hoje, provavelmente, o país mais capitalista do mundo. Com muito a nos ensinar, se fôssemos bons alunos e quiséssemos aprender.

Mas, como não temos tradição comercial externa, e estamos eternamente girando em torno de 1% ou pouco mais dele, parece que o mercado externo não nos atrai. Não há esforço para isso. O que pode ser constatado pela alta carga tributária, altos juros, baixo investimento, falta de acordos comerciais, displicência com que tratamos nossa matriz de transporte e os modos utilizados.

Não conseguimos ainda descobrir o que todo mundo já sabe, e vide a China, novamente. Em 1979 nossa exportação era de 12,6 bilhões de dólares norte-americanos. A da China 9,7 bilhões. Em 2011 nossa foi de 256 bilhões, a da China 1,9 trilhão. O que dispensa comentários.

Não conseguimos ainda ver a Alca como uma grande oportunidade, com seus 35 membros. E nem os EUA como um grande mercado. O maior do mundo com 307 milhões de consumidores. Continuamos sem entender por que o país mistura política com economia e continua contra a Alca, ao invés de encará-la como uma grande oportunidade.

Aliás, estamos sendo generosos, pois não é só contra a Alca mas contra o mundo. Já que se discute, discute e os acordos não saem. Vide o com a União Européia, África do Sul, China, Índia, Rússia. Continuamos campeões olímpicos e mundiais em natação. Só nada, nada, nada.

TUDO sobre Despacho Aduaneiro

TUDO sobre DESPACHO ADUANEIRO, sem mi-mi-mi, sem blá-blá-blá-blá, direto ao ponto. Quer se manter atualizado? Então Se inscreva nesta lista, é GRÁTIS.>

Precisamos retornar às negociações com os mais diversos países para implementarmos acordos comerciais. O que aumenta muito o comércio, em face do barateamento das mercadorias. Vide como exemplo o Mercosul. Saímos de um comércio de três bilhões de dólares norte americamos para mais de 40 bilhões. E isso por que temos todos esses problemas conhecidos entre nossos dois países. Que parecem convencidos de que dezenas de boas brigas são bem melhores que um bom acordo. O comércio poderia ser o dobro disso ou mais.

Parece que nosso medo é ficarmos a reboque da economia do tio Sam. O que não ocorreria. Já tivemos muitos superávits anuais com eles. E são sempre eles que colocam barreiras às nossas mercadorias e não o contrário. E, mais incompreensível é que não queremos acordo com eles, mas queremos com a União Européia. É surreal.

George Herbert: A dedicação dá aos nossos sonhos as asas para se erguerem e a força para voar.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *