Por que o superporto de contêineres é importante para o ES?

superporto

Cada vez mais as empresas buscam a sua eficiência global na logística, e para isto é preciso  debater a ineficiência portuária da atualidade.  Ela é o grande tema da atualidade, uma vez que custos logísticos já representam 11% do PIB, segundo pesquisa feita pelo Instituto de Logística e Supply Chain (ILOS). Assim, é oportuno tentar responder por que um porto de águas profundas é uma vital para o crescimento da economia local.

O Espírito Santo está em posição geográfica privilegiada tornando-o uma excelente porta de entrada para todas as principais atividades econômicas do país, devido à proximidade dos centros mais dinâmicos e desenvolvidos do País e à sua integração ao mercado internacional.

Num raio de 1.000 Km a partir de Vitória, temos uma área detentora de 35% do PIB do Brasil, o que representa um mercado consumidor de bens e serviços de mais de 60 milhões de habitantes.  Adicional, há a vocação natural das exportações de Mina Gerais, do Centro Oeste, do Cerrado e uma opção para os gargalos do Rio e de São Paulo.

O grande problema de não oferecermos essa solução em serviços está na deficiência portuária e forma de acesso das mercadorias até o Cais.  Seria preciso ter um porto que pudesse operar navios de grande capacidade, uma ótima infraestrutura de acesso logístico, uma retroárea eficaz e um canal de escoamento que realmente ofereça condições de o cliente ter custos reduzidos.  Isto tornaria o Espírito Santo o grande Hub Port do país.

TUDO sobre Logística

TUDO sobre LOGÍSTICA, sem mi-mi-mi, sem blá-blá-blá-blá, direto ao ponto. Quer se manter atualizado? Então Se inscreva nesta lista, é GRÁTIS.>

Expertise, que é conhecimento que se adquire pelo estudo, experiência e prática, o Espírito Santo possui.  Só precisa ter os investimentos necessários para atender a esta nova realidade econômica.

Como os demais portos do país, Vitória ainda sofre com a falta de dragagem.  Há navios que precisam esperar a maré adequada para atracar no cais, o que gera aumentos substanciais no frete ou até mesmo a recusa por parte do armador em operar no porto.  E para melhorar este cenário, a dragagem não é a única solução ou a panacéia para todos os males da precária infraestrutura portuária do estado.

Um dos pilares do PAC foi a infraestrutura logística, com a construção e ampliação de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e hidrovias.  O Espírito Santo e o restante do Brasil até agora não assistiu a esta nova era.

Então, é preciso ter um programa de investimentos públicos para resolver gargalos estruturais, como o difícil acesso rodoviário ao porto, a falta de espaço na retroárea, o alargamento e aprofundamento no canal de navegação, novos e modernos equipamentos de operação e a construção de um novo terminal que possa abrigar navios maiores e em águas profundas.

Temos de ter um planejamento integrado, envolvendo o Governo Federal, Estadual e a iniciativa privada, com foco na cadeia produtiva, identificando as carências de cada setor beneficiado.  Além disso, é preciso que as soluções sejam específicas, técnicas (e não políticas), cirúrgicas, atuando na necessidade específica da região.

O poder estatal também precisa oferecer um cenário positivo, jurídico e economicamente, em que as empresas possam atuar livremente, além de corrigir as imperfeições de mercado e as externalidade negativas, principalmente na questão ambiental e de sustentabilidade.

Elementos como planejamento integrado, foco na cadeia produtiva, soluções cirúrgicas e parceria com o setor privado propiciará um sustentável crescimento econômico, com ótimos resultados financeiros e uma logística portuária eficiente, eficaz e inteligente.

1 comentário


  1. Acho que vou morrer e não verei estas soluções sere, colocadas em prática, se tratando do ES, é..to sendo negativista, não da pra pensar o contrário.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *