Terminais Intermodais

Temos dito sempre, em nossas aulas, que a logística brasileira deixa muito a desejar. Que nossa matriz de transportes é muito ruim. Baseada no transporte rodoviário, com cerca de 60% da carga. A culpa, obviamente, não é desse modo de transporte. Que é maravilhoso. Em que sempre dizemos que, se tivéssemos que deixar na terra apenas um modo, seria ele. Nenhum outro. É o único auto-suficiente. Que vai buscar a carga na origem. E entrega no destino. Nenhum outro tem essa competência. Nunca vimos, por exemplo, ainda que em raras ocasiões, um navio indo buscar a carga na origem. Nem distribuindo carga por bares e restaurantes. O avião tampouco. E assim por diante.

Assim, não há que duvidar da capacidade desse veículo. Então qual o problema com ele e se critica tanto? O problema não é com ele como visto. O problema está conosco. Os usuários. Cuja preferência é por ele. Em que os demais modos, em conjunto, abarcam os restantes 40%. Cruzamos o país com ele. Levamos uma carga do sul ou sudeste ao norte ou nordeste com ele. Que é, sabidamente, como temos falado e escrito, o transporte mais caro que existe. Maior do que o aéreo conforme nossos argumentos.

O ideal, quando temos cargas para além de uns 400 ou 500 quilômetros, é o transporte ferroviário ou o hidroviário. Nesse caso, o transporte fluvial, em vias interiores, e a cabotagem, na costa brasileira. Das maiores do mundo. Em que o transporte rodoviário não faz tudo sozinho. Mas age como parte do todo. Como auxiliar dos demais. Conforme nossas colocações, de vedete do transporte. Aquele que está a serviço dos demais. Ou seja, fazendo logística e não meramente transporte.

Situação em que, seguramente, os transportadores teriam mais ganho. Todos sabem que quanto menor o trajeto, maior o custo relativo do transporte. Aquele por quilômetro.

É só comparar fretes de transporte de carga de Santos a São Paulo, com fretes de São Paulo a Manaus, Porto velho, Belém, etc. E com veículos preservados. Ninguém desconhece a lastimável situação de nossas estradas. Que aumentam o consumo de combustível e peças gerais. Gerando manutenção desnecessária e contínua.

O país tem que se conscientizar de que é necessário mudar a matriz de transportes. E mais rápido do que temos feito nas últimas duas décadas, desde a abertura econômica de 1990.

Precisamos reduzir o transporte rodoviário para uns 25/30%, no máximo. Utilizar os demais modos. transformando o rodoviário no centro das atenções. Aquela vedete que mencionamos. Aquela atuação nobre necessária à melhoria do nosso custo logístico.

Para isso, é fundamental darmos atenção aos terminais intermodais. Onde interagem os vários meios de transporte. Em que a carga é levada por determinado modo àquele ponto, e ai a carga é transferia a outro modo. Ou outros. Em que se poderia praticar a Intermodalidade e a multimodalidade. Embora já creiamos, há algum tempo, que esta última, apesar da lei de 1998 e a regulamentação de 2000, seja natimorta. Com a redução da unimodalidade para cerca de um quarto da carga, o custo logístico seria bastante amenizado.

Hoje, praticamente, não os temos. Enquanto os EUA os têm, segundo já lido, às centenas. Mas, parece que neste país o que dá certo lá fora é execrado aqui. Nem sempre usamos o que já existe. Estamos sempre tentando reinventar a roda. Quando o mais simples é entender que ela já é perfeita. E simplesmente utilizá-la.

Brasil, Brasil, quando acordarás do seu sono eterno em berço esplêndido?

3 Comentários


  1. Dois fatos: a Inciativa Privada sempre vai optar pelo oque é lucrativo, logo, o maior desafio da intermodalidade é a parceria entre empresas concorrentes que detêm trechos de Ferrovias, seus propios Terminais e Portos Secos e oferecem dessa forma certas exclusividades e facilidades em operações.Em contrapartida a iniciativa Pública passa por Burocracia, lobby de construtoras e é onerada pela corrupção e desvio do dinheiro público.Claro que a solução passa pela logistica integrada e a intermodalidade de operações porém alguém tem que pagar a conta e querer uqe de certo em interesses egoista.Pouca farinha , meu pirão primeiro…

    Responder

  2. Novidades virão por aí e, apesar de já existirem alguns terminais multimodais em operação (rodo-ferroviária), sabemos que é pouco, muito pouco para a demanda existente, e se considerarmos o crescimento do país, especialmente em São Paulo, a tendência será para a maior utilização da ferrovia, pois não conseguiremos suportar cada vez mais carros e caminhões em nossas estradas já congestionadas (São Paulo), além das estradas em ruim e péssimo estado de conservação ao longo do país. A tendência “sine qua non” é a Intermodalidade. Fiquemos atentos aos projetos, para breve, das ferrovias e de algumas grandes empresas para essa questão….

    Responder

  3. Belo texto!

    Nos faz refletir sobre o transporte rodoviário e como nosso país está engessado no que diz respeito aos outros modais.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *