Transporte, Multimodalidade e Logística

O Brasil tem convivido há alguns anos com os conceitos de multimodalidade e logística, que vieram juntar-se ao conhecido termo transporte, este bem popular e que não deixa a menor dúvida. No entanto, os novos termos, chegados ao país de forma mais massificada em meados da década de 90 do século XX, ainda provocam grandes confusões entre os seus usuários.

 E mais do que isso, até entre aqueles que vendem o serviço, e mesmo ensinam através de aulas, palestras, artigos, entrevistas, etc., o que é bem mais grave. É claro que isso ajuda a aumentar a confusão, pois um formador de opinião é seguido quase sem contestação pelos leigos ou pouco familiarizados com o metier.

Em primeiro lugar, convém estabelecer a diferença entre a multimodalidade e a intermodalidade, antes que a confusão aumente ainda mais, que aqui também temos problemas.

A intermodalidade é a operação normal praticada ao longo do tempo, desde os primórdios da humanidade e do transporte. É a operação em que se utiliza mais de um modo de transporte – caminhão/navio, por exemplo – para se levar a mercadoria de um ponto a outro, em que tudo é independente. Com isso, queremos dizer que cada modo de transporte é responsável pelo seu trecho, emitindo seu próprio documento de transporte, em que o contratante do transporte recebe um conhecimento de embarque em seu nome como embarcador (shipper).

A multimodalidade tem em comum com a intermodalidade apenas o fato de se utilizar de mais de um modo de transporte para levar a mercadoria de um ponto a outro. O restante é bem diferente. Na multimodalidade, que é operada por um OTM – operador de transporte multimodal, este se responsabiliza por todo o processo, de ponto a ponto, com responsabilidade única e documento único, e em que o dono da carga é seu embarcador. O OTM não precisa ter veículos de nenhum modo de transporte e pode sub-contratá-los, aparecendo ele como o embarcador dos demais transportadores.

Isso posto, voltemos ao âmago da questão, o assunto primordial, que é a diferença entre transporte, multimodalidade e logística.

TUDO sobre Logística

TUDO sobre LOGÍSTICA, sem mi-mi-mi, sem blá-blá-blá-blá, direto ao ponto. Quer se manter atualizado? Então Se inscreva nesta lista, é GRÁTIS.>

O transporte é o ato de se levar a mercadoria de um ponto a outro, em determinado modo, por exemplo, utilizando-se do veículo rodoviário, ou um navio no transporte marítimo. O transporte é parte de uma operação intermodal, e mesmo de uma multimodal, e apenas isso, não se constituindo de qualquer operação especial ou mesmo uma operação logística, de quem também é parte.

Uma operação logística, no entanto, é um processo global de deslocamento de uma determinada carga, de um ponto inicial ao seu ponto final, para entrega ao comprador, da melhor forma que isso possa ocorrer. Com o melhor transit time, os melhores modos de transporte, no mais curto tempo possível, com o melhor preço, enfim, melhor tudo.

Um processo logístico adequado e de sucesso, deve levar em conta todas as variáveis importantes e/ou que possam influenciar de alguma maneira o processo. Envolve conhecimentos especiais, parceria, dedicação, estudo, acompanhamento de todos os modos de transporte e suas evoluções e custos, armazenagem idem, etc. É preciso exercitar o planejamento o tempo todo, enfim, pensar e utilizar todas as armas ao alcance para a consecução da tarefa e entregar a mercadoria da melhor forma que isso possa ser feito.

Em logística podemos afirmar, e dizemos isso aos nossos alunos e ouvintes, que se você não fizer, o seu concorrente fará. Nem se preocupe com esse detalhe, sempre há alguém que fará melhor, se não hoje, amanhã. Outra colocação que pode ser feita é que a logística não tem modelo, e o que funcionou bem ontem pode não ser o ideal hoje, e muito menos amanhã. Em síntese, logística não tem modelo e é extremamente dinâmica.

Assim, fica claro, pelo que foi dito, que a multimodalidade não é opcional à logística, e nem esta se enquadra naquela, muito ao contrário.

A logística é a mãe da operação, sendo a multimodalidade um dos instrumentos a serem utilizados por ela. Assim como a intermodalidade e o transbordo, e todas estas são feitas utilizando-se um ou vários veículos para fazer a mercadoria chegar a seu destino.

Com o acima, fica claro que a multimodalidade não se rivaliza com a logística e que nem esta subordina-se à multimodalidade. A logística é o processo superior, e se vale dos instrumentos transporte, transbordo, intermodalidade e multimodalidade para cumprir seu objetivo. Isso em se tratando apenas da parte de deslocamento direto. É claro que a logística pode se valer também de outros instrumentos, conforme já citado, por exemplo, a armazenagem entre o uso dos modos de transporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *